Secretaria de Tecnologia da Informação: competências, avanços e reconhecimento

Alterada pela resolução nº 02, de 27 de janeiro de 2022, a Secretaria de Tecnologia da Informação (STI) constitui-se em quatro divisões responsáveis pelo gerenciamento das atividades ligadas à tecnologia da informação, isto é, prestando todo o apoio tecnológico necessário ao pleno funcionamento do Tribunal de Contas do Estado do Piauí (TCE-PI). No episódio desta sexta-feira (11), da série “Conheça o TCE”, vamos conhecer um pouco mais sobre essa importante secretaria que compõe a estrutura organizacional da Corte de Contas piauiense.

A STI preocupa-se com o desenvolvimento de soluções de TI, com a manutenção da infraestrutura de tecnologia da informação e resguardo de dados do Tribunal, com o acompanhamento e o desempenho de sistemas desenvolvidos, garantindo-lhes o pleno funcionamento. Assegura, ainda, a implantação de novos sistemas, assim como repara possíveis falhas e acompanha demandas externas, como a prestação de contas públicas.

Em suma, a STI serve como ponte de ligação que conecta servidores, demandas e resultados. Ela atua diretamente para garantir o bom desempenho de todas as ferramentas relacionadas à tecnologia, sistemas, softwares e hardwares do TCE-PI.

 

Estrutura organizacional

 

Composta por 24 servidores, entre efetivos, comissionados e terceirizados, a STI organiza-se em quatro eixos principais para o desenvolvimento de suas atividades. São elas:

Divisão de Banco de Dados (DBD), área da STI responsável por assuntos relacionados ao armazenamento e consulta de dados, transformando bases de dados em informações relevantes para o TCE, através de projetos de BI (Bussiness Intelligence), projetos de mineração de dados (Data Mining), desenvolvimento de relatórios internos interativos, planilhas, tabelas dinâmicas, cruzamento de dados, integração de bases de dados e tratamento de dados para análises diversas.


Servidores em atuação na Divisão de Banco de Dados

 

Divisão de Desenvolvimento de Softwares (DIDES), que concebe e desenvolve sistemas que atendam às necessidades do Tribunal de Contas, especialmente, no que se refere aos processos de prestações de contas e auditorias. Desde o início de sua atuação, a equipe da DIDES já desenvolveu mais de 50 sistemas, entre eles, o Capture, utilizado nas rotinas de fiscalização, permitindo a captura de informações através de questionários e outros tipos de mídias, como fotos e vídeos. Também atua na adequação e customização de soluções oriundas de outros órgãos, como Plenário Virtual, por exemplo.  Além disso, a DIDES apoia as demais unidades do Tribunal no tocante ao mapeamento e automatização de processos e análises de dados.


Servidores em atuação na DIDES

 

Divisão de Rede e Segurança (DIRES), que compreende toda a infraestrutura de tecnologia da informação da Corte de Contas piauiense. O gerenciamento da rede e a garantia da segurança no uso dos recursos de TI. Desenvolve estratégias para blindar e proteger dados lógicos e físicos contra ataques de hackers e demais ameaças. 


Servidores em atuação na DIRES

 

Divisão de Suporte e Atendimento ao Usuário (DISAU), que tem como missão principal assegurar o funcionamento de todas as soluções de tecnologia da informação do TCE-PI, tendo impacto direto na produtividade dos seus usuários. Também auxilia na implementação dos processos de tecnologia, treinando e orientando servidores, jurisdicionados e cidadãos em geral para uma utilização eficaz da TI, contribuindo assim para o cumprimento da missão deste Tribunal.


Servidores em atuação na DISAU

 

Atuação na pandemia

Durante o período mais crítico da pandemia de Covid-19, a STI enfrentou consideráveis desafios, sobretudo, o de transportar todo o trabalho desenvolvido pela estrutura física do TCE Piauí para o ambiente virtual.

“O primeiro passo foi providenciar que todos os servidores tivessem, em suas residências, equipamentos necessários ao bom desempenho de suas funções, proporcionando-lhes a infraestrutura de qualidade e ferramentas de software necessárias para que o Tribunal trabalhasse remotamente”, explicou o secretário de Tecnologia da Informação do TCE-PI, auditor Antônio Moreira Filho. 


Secretário de Tecnologia da Informação do TCE Piauí, auditor Antônio Moreira Filho

E, em poucos meses de implantação e adaptação, o teletrabalho já estava em pleno funcionamento, com sessões de julgamento de forma on-line através de plataforma tecnológica.

 

STI é referência em soluções e boas práticas

Em agosto deste ano, a STI foi convidada para apresentar o “Processo automatizado para controle de prazos de Comunicação Processual”, no 17º Congresso de Inovação no Poder Judiciário e Controle. A solução trata-se de uma ferramenta desenvolvida para controle dos prazos de comunicação processual no TCE-PI, que faz uso de robôs para execução de tarefas automatizadas e direcionamento do fluxo de tarefas humanas.


Secretário Antonio Moreira Filho, do TCE-PI, durante o 17º CONIP

O evento aconteceu em Brasília-DF e rendeu resultados positivos.  A automação está elencada como uma das boas práticas do Tribunal de Contas no levantamento realizado pelo MMD, que é o Marco de Medição de Desempenho.

Sobre o convite, o secretário Antônio Moreira Filho diz que o momento foi satisfatório. “Foi gratificante para a Secretaria de Tecnologia da Informação do TCE-PI sermos convidados a apresentar um de nossos cases de sucesso, que envolve transformação digital e gestão automatizada de processos de negócios do Tribunal de Contas, em um evento tão relevante e reconhecido nacionalmente, como o CONIP”, pontuou.

 

Principais sistemas desenvolvidos pela STI

Entre os principais sistemas desenvolvidos, customizados e mantidos pela STI, destacam-se o Sagres Contábil, o Sagres Folha, o sistema Licitações e Contratos, o Capture, o Documentação Web e o Plenário Virtual. Ambos, podem ser encontrados no site do Tribunal, na página inicial.